Blogger Summer Challenge | Favoritos do Mês

Como ditam as regras deste desafio, estes favoritos podem estar enquadrados em diversas categorias, e enquanto eu podia ter decidido falar um pouco de tudo, vou apenas focar-se em música. Vou começar com algumas novidades que este mês trouxe e depois vou acabar este post com mais algumas sugestões. Espero que gostem! *e peço já desculpa pela extensão deste post; demasiado entusiasmo e emoção a escrevê-lo*

Em primeiro lugar, apenas numa perspectiva cronológica, quero apresentar-vos três novas músicas dos Bastille. Para quem não acompanha esta banda, o grupo está neste momento naquilo que se pensam ser os últimos preparativos do seu segundo álbum, cuja data de lançamento ainda está no segredo dos deus. E porque o Dan, o Will, o Kyle e o Woody nunca fazem nada por menos, actualmente em tour pela Europa em festivais de Verão, eis que a banda decidiu apresentar três músicas do seu novo álbum. Deixo-vos assim com “Grip”, “Snakes” e “Hangin”, e com a minha, definitivamente extensa, análise das mesmas.

Honestamente não sei o que é que gosto mais nesta música. A voz do Dan está simplesmente fantástica, especialmente durante o verso inicial. Aliás, durante a música toda diga-se verdade. E quando é que a sua voz não é fantástica? A junção da sua voz com as do Kyle e Charlie (o novo membro da tour) está óptima, e nem falemos no pequeno solo do Will a cantar. Dois momentos pelos quais fiquei fascinada. Mas admito que tenho poucas esperanças que a versão de estúdio inclua a voz do Will assim tão claramente. Mas a esperança é a última a morrer, certo? A letra da música é igualmente muito boa, e adoro o facto de facilmente nos conseguirmos relacionar com as suas palavras. Esta é talvez uma das melhores características desta banda, algo infelizmente não tão comum nos tempos correntes. E por último, a parte instrumental também é fantástica. Muito ao estilo Bastille, ainda que verdade seja dita eles não têm um estilo bem definido, o que no que diz respeito a esta banda é um plus.

Eu sei que me vou repetir nestas análises/descrições, mas a verdade é que basicamente posso comentar o mesmo para as três músicas. A voz do Dan penso que é algo que tão cedo não irá deixar de ser espectacular, embora o som deste vídeo seja um bocadinho pior que o anterior (e a quantidade de gritos desnecessários seja maior). A letra desta música também é muito boa, especialmente o refrão: “If I’m not ready / Life will just eat me whole / If I’m not steady / Maybe I’ll lose control”. É caso para dizer em poucas palavras, “it’s catchy and relatable”. E a parte instrumental também não podia de deixar de ser fantástica e completamente dentro daquilo que os Bastille nos têm habituado nos últimos dois anos.

Um detalhe desta música que eu adoro, mas que no fundo é irrelevante porque eles apenas fazem isto nas suas actuações ao vivo, é a citação no início da música. Não é bem pelo que a pessoa diz, mas sem dúvida pelo seu sotaque. Dos três vídeos este acaba por ter uma menor qualidade que os outros dois, ainda que seja bastante bom, mas na gravação a parte instrumental torna o refrão difícil de entender. Embora esta música seja um bocadinho mais repetitiva do que é costume, na verdade não deixa de ter uma letra muito boa. Esta é sem dúvida a minha parte favorita: “Don’t tell me you’ve never done a thing / That in honesty, you regret / That guilty voice that’s still rings”. A voz do Dan continua a ser fantástica, e a parte instrumental é talvez um dos meus aspectos favoritos em relação a esta música, especialmente aquele solo de guitarra do Will aos 3 minutos.

Em segundo lugar, venho-vos falar do álbum de estreia de Nate Ruess como artista solo. À venda ao público desde o passado dia 16 de Junho, “Grand Romantic” é absolutamente fantástico e perfeito. E não podia ser mais a cara do seu próprio autor. Honestamente, penso que cada segundo deste álbum grita Nate Ruess. Eu já conhecia metade do álbum visto que ele apresentou cerca de seis músicas no seu concerto em Utrecht, ao qual eu fui. Obviamente as versões de estúdio são sempre muito boas, mas não há nada melhor mesmo que as suas actuações ao vivo O Nate Ruess está mesmo de parabéns com este álbum. Até ao momento, penso que as minhas músicas favoritas são: “AhHa” e “Great Big Storm”, mas na realidade elas são todas espectaculares. Gostava também de destacar a música de introdução, “Grand Romantic (Intro)”, que me faz sempre automaticamente lembrar dos Queen. Fiquei simplesmente apaixonada por estes 43 segundos. E deixo-vos em baixo o álbum inteiro.


E passando agora a outras três sugestões, nada relacionadas com o mês de Junho, mas que apenas achei que se enquadrariam bem neste post. Em primeiro lugar, quero apresentar-vos Ásgeir Trausti Einarsson, ou simplesmente Ásgeir. Descobri este músico islandês graças a um episódio da mais recente temporada de “Grey’s Anatomy”, e depois também graças ao Jota do blog “Brisa Passageira”. E facilmente me tornei fã da sua voz. Até ao momento ele conta com dois álbuns já lançados, ainda que “In the Silence” seja apenas um relançamento, em inglês, do seu álbum de estreia “Dýrð í dauðaþögn”, em islandês. “Was There Nothing?” foi sem dúvida a música que me fez apaixonar pela voz dele e não podia ser uma música mais perfeita. A melodia das músicas é fantástica, as letras das músicas também o são, mas o que sem dúvida adoro mais neste álbum é o seu sotaque. A verdade é que este sotaque/pronúncia dá um toque especial a estas músicas. E como extra, deixo-aqui o link de um cover do Ásgeir que simplesmente adoro.

E continuando nesta mesma temática de música folk – um género ao qual nunca dei muita importância, mas que desde que descobri os “The Lumineers” há uns anos atrás, que me tem chamado mais a atenção -, apresento-vos a Gabrielle Aplin. Eu descobri esta cantora inglesa graças à sua participação no segundo álbum de mixtapes dos Bastille, em “Dreams” (podem ouvir esta música aqui). Eu gostei bastante da voz dela e no entretanto também tinha descoberto esta cover que ela fez, e que está simplesmente fantástica. E foi assim que decidi ouvir todo o seu álbum de estreia, “English Rain” que não podia fazer mais jus à sensação que ele transmite. Honestamente, acredito que este álbum é uma perfeita escolha para se ouvir naqueles dias nublados e chuvosos, em que o melhor é mesmo estarmos enrolados em mantas e com uma chávena de chá nas nossas mãos. A Gabrielle tem uma voz simplesmente fantástica e angélica. Estou completamente fascinada com a harmonia da sua voz. Até este momento, estas são as minhas músicas favoritas: “Home”, “The Power of Love”, “Human” e “Take Me Away”, não só pela música em si, mas sobretudo pelas suas letras.

E por último, apresento-vos uma banda feminina norte-americana mais no estilo dos Bastille – as HAIM. Aliás, foi também graças a uma participação delas num dos mixtapes dos Bastille – o seu terceiro álbum de mixtapes – que eu as fiquei a conhecer. Essa música (que podem ouvir aqui) é até uma das minhas favoritas deste álbum. Mas passando para as HAIM… O seu álbum de estreia chama-se “Days Are Over” e não podia ser mais genial. Penso que a banda se enquadra na mesma vibe que os Bastille, ambas bandas fundamentalmente no estilo de indie rock/pop mas com influências de rock e R&B. No entanto, penso que as HAIM entram mais no soft rock e R&B do que os Bastille, mesmo no que diz respeito aos seus mixtapes. O primeiro aspecto que eu destaco no álbum delas é a parte instrumental, que para mim é absolutamente perfeita. Sem dúvida uma característica excelente das suas músicas. Eu só comecei a ouvir esta banda muito recentemente por isso ainda não consigo distinguir as vozes delas, mas de qualquer modo, tem todas uma óptima melodia e o som é excelente. E o mesmo posso dizer das letras das músicas, que são igualmente muito boas. Até ao momento, estas são as minhas músicas favoritas: “Falling”, “The Wire”, “Days Are Gone” e “My Song 5”, que se destacam sobretudo pela parte instrumental. Deixo-vos também aqui com o link para uma cover que as HAIM fizeram e que eu simplesmente adoro.

E como o título dá a entender, este post encontra-se enquadrado no Blogger Summer Challenge, criado pelos autores de “Brisa Passageira” e “Beijos Nem Vê-los”.

3 thoughts on “Blogger Summer Challenge | Favoritos do Mês

  1. Cátia Reis says:

    Olá querida!
    Tenho de agradecer à minha designer por todo o visual…foi um longo trabalho, mas finalmente consegui!
    Gosto bastante das musicas aqui recomendadas, mas eu sou mais fã de rock…sou rebelde uuuh. Beijinhos.

    Like

Say what's on your mind

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s