Ensinos Secundário e Superior: testes de consulta

E continuando dentro da temática sobre a educação, o post que hoje vos trago é sobre testes de consulta. À primeira vista pode parecer algo que só se tem na Universidade, mas a verdade é que há professores que empreendem este método nas suas aulas no Secundário. Eu, aliás, no meu 8o ou 9o ano fiz um teste de consulta em Física-Química. Mas há que dizer que foi o único, pois até este ano (o segundo na Universidade) eu não fiz mais nenhum. E o certo é que a 3 das minhas cadeiras deste semestre os testes são de consulta. De um modo geral, eu não gosto deste tipo de testes, embora admita que ele tem os seus lados positivos. Ainda não sei como é que me “safei” nestes testes, visto que ainda só sei a nota de um (este é um dos lados negativos dos profs. universitários – levam demasiado tempo para darem as notas). E mesmo para quem não está na Universidade, penso que o conhecimento não ocupa lugar e, além disso, mais vale estar-se prevenido, não vá um professor lembrar-se de fazer um teste destes, não é verdade?

O que são?
Como o próprio nome o indica, estes testes envolvem a consulta de documentos enquanto estamos a fazer o mesmo. Os moldes em que são feitos fazem com que estes testes não possam ser aplicados em todos os tipos de disciplinas/cadeiras. Por exemplo, um teste a uma disciplina ou cadeira de matemática, depreende que se saiba as fórmulas e que saibamos aplicar as mesmas sozinhos, daí ser incompatível realizar-se testes de consulta. E isto já para não mencionar as disciplinas/cadeiras de línguas. Seria surreal se pudéssemos levar apontamentos connosco para estes casos. Por isso, o mais provável é que sejam só feitos em testes que envolvam perguntas de desenvolvimento; género este mais propicio à aplicação de consultas de artigos.

Embora pareça que é apenas um modo de ser legítimo levarmos “cábulas” para um teste, a verdade é que estes testes exigem muito mais dedicação e esforço nossos do que se fôssemos simplesmente fazer cábulas. Isto já para não dizer que o que realmente querem avaliar nestes testes, para além dos nossos conhecimentos da matéria, é a nossa capacidade de saber referenciar o que escrevemos, no fundo, é saber fundamentar as nossas respostas com base, por exemplo, em artigos.

studying 10
O que se pode levar para o teste?
Este aspecto depende apenas dos professores. Não só eles decidem se querem ou não optar por este modelo, como também podem impor os limites que quiserem no material que podemos levar connosco para o teste. Não sei que hipóteses é que podem existir na sua totalidade (até porque ainda não fiz assim tantos testes de consulta), mas vou dar-vos dois casos que presenciei este ano, com os testes de consulta que fiz.

(1): pode-se levar todo o tipo de textos connosco. Quer isto dizer, que podemos levar os nossos apontamentos, os apontamentos de colegas que fizeram a disciplina/cadeira em anos anteriores, artigos e livros que quisermos e até mesmo resumos e esquemas feitos por nós. Basicamente, temos a liberdade de levarmos connosco tudo o que quisermos.

(2): só se pode levar textos impressos connosco. Quer isto dizer que, documentos como os nossos apontamentos (ou de qualquer outra pessoa), terão de ficar fora da sala. E, assim, só se pode levar documentos como artigos e livros, que como é óbvio são impressos. E em relação aos livros, podem levar fotocópias dos mesmos.

É necessário estudar?
Não querendo ofender ninguém (porque honestamente não quero mesmo), esta pergunta nunca deverá ser colocada. Não é por podermos levar apontamentos, artigos ou livros connosco, que devemos deixar de estudar. Até pelo contrário, devemos estudar tanto como se fosse para um teste dito normal. É que, mesmo sendo um teste de consulta, temos de saber bem a matéria, senão seria impossível saber o que tínhamos de responder e o que tínhamos de procurar nos documentos que levámos. E isto já para não mencionar que, se andarmos a ler os documentos e a sublinhá-los apenas na hora do teste, não vamos ter absolutamente tempo nenhum para responder às questões.

resumos

Como é que devo preparar os materiais para levar para a aula?
Como já podem ter percebido pelo que disse no tópico acima, é mandatário ir-se bem preparado para um tipo de teste como este, visto que o tempo que temos é bem sagrado. Por esse motivo, dou-vos alguns passos que poderão seguir:

  • devem recolher, com antecedência, todo o tipo de bibliografia que quiserem utilizar. Se forem artigos e se os vossos professores os fornecerem, deve ir quanto antes imprimi-los à  reprografia da vossa escola/faculdade. Se forem artigos mas que não sejam dados pelos professores, podem sempre recorrer às bibliotecas e fazer fotocópias dos mesmos. E como sorte alguns artigos podem estar disponíveis na internet – para quem está na Universidade, aconselho vivamente este website. Se forem livros e não os tiverem já podem tentar encontrá-los numa biblioteca e fazer fotocópias dos mesmos. Se for necessário comprá-los, especialmente online, devem-no fazer com antecedência, para o caso das encomendas se atrasarem. Acima de tudo, devem olhar bem para a bibliografia sugerida e avaliar quais os materiais que vos poderão ser mais úteis.
  • algo que deve ser feito também com antecedência é a analise dos vossos documentos. E isto é algo que nunca se deverá deixar para o fim. É um processo que requer o seu tempo e muita concentração, algo que nas vésperas de uma prova nem sempre se tem, visto que o stress é sempre muito. Para que vos seja mais fácil utilizar os documentos, sublinhem-os com lápis, caneta ou marcadores – usem o método mais apropriado para vocês.
  • especialmente em relação a livros, podem, enquanto vão sublinhando as partes mais importantes, ir fazendo um resumo do que estão a ler (como na imagem acima), para que depois seja mais fácil para vocês utilizarem estes apontamentos. E sempre que considerarem que alguma passagem é interessante para usarem no vosso teste, devem não só destacá-la no livro (ou artigo também), como também devem fazer referência a ela no vosso resumo.
  • quando possível (porque nem todas as disciplinas/cadeiras o permitem) dispensem algum do vosso tempo para fazer esquemas ou quadros/tabelas. Por um lado é mais um método de estudo e, por outro lado, permite-vos terem um “apanhado geral” da matéria. Posso dar-vos um exemplo para perceberem melhor a sua utilidade. Para uma das cadeiras em que fiz um teste de consulta, levei comigo um quadro/tabela que me deu uma grande ajuda. A cadeira, como o nome indica (Sociedades da Idade do Bronze na Península Ibérica), retrata os diversos tipos de povoamento (e não só) que existiam nas várias regiões de Portugal e Espanha durante a Idade do Bronze. E visto que elas apresentam diversas diferenças entre si (e algumas semelhanças) e porque as questões baseiam-se em caracterizar os seus contraste, é útil ter-se um quadro com as várias características de cada região. Assim, quando fosse para referir quais as diferenças ou semelhanças entre duas ou mais regiões tinha-se já um quadro com basicamente toda a informação de que precisamos.

O que é que acharam deste post? Alguém já fez algum teste deste género?

15 thoughts on “Ensinos Secundário e Superior: testes de consulta

  1. Patrícia Ferreira says:

    Nunca tive nenhum teste deste género, felizmente. Mas vou ter um teste oral daqui a 2 semanas e nem sei qual é pior. Testes orais para mim são horríveis, mas pronto. Já fizeste algum?
    Até agora, o semestre nem tem corrido muito mal. Tive notas para cima de 14, o que me agradou bastante. Agora falta saber o resto dos resultados. Concordo contigo, os professores levam imenso (mas mesmo imenso!) tempo a corrigir as malditas frequências.
    Um excelente 2013 para ti!🙂

    Beijinhos
    http://patrician.blogs.sapo.pt/

    Like

  2. Beauty Addicts says:

    Tive uma frequência de Deontologia Profissional de Enfermagem que foi com consulta mas a única coisa que podíamos levar era a respectiva lei ou seja um monte de folhes com artigos e alíneas. Sei que se não tivesse sublinhado e sinalizado anteriormente assim como estudado não tinha conseguido passar de ano.
    Adoro este teu tipo de posts são espectaculares já te tinha dito😉 continua com eles a sério! vale tanto a pena !!🙂

    Like

  3. Sweet woman says:

    Confesso que o único teste de consulta que me lembro de ter tido foi o ano passado a Psicopatologia e não é das coisas que mais goste, prefiro os ditos testes normais.
    Acho engraçado é que muita gente pensa que como é teste de consulta não é necessário estudar e que o teste acaba por ser mais fácil por termos acesso a folhas ou ao livro que contém a matéria, mas isso é puro mito. Caso não tenhamos apontamentos preparados e ideias sobre a matéria jamais conseguiremos passar no teste quanto mais tirar uma boa nota.
    A ideia para este post foi boa, serve para esclarecer dúvidas a pessoas que nunca realizaram este tipo de testes ou que já realizaram mas ainda assim não perceberam bem como funciona e em que consiste. Acho que abordas extremamente bem este tipo de temas!
    Beijinhos.

    Like

  4. Fashion Brand says:

    Eu também queria nessa cor, mas normalmente na spartoo as cores enganam e já comprei uma mochila que pensei ser nessa cor, mas é vermelho vivo :s
    Eu tenho testes de consulta a inglês, mas sinceramente não estudo…
    Mas obviamente que o inglês é uma disciplina diferente, e nunca tive dificuldades, pelo que prefiro focar-me nas outras disciplinas🙂

    Like

  5. Raquel Alexandra says:

    Os livros que recebi também não são o tipo de livros que costumo ler, mas já estou a acabar O Rapaz das Fotografias Eternas. É, de uma forma surreal, absurdamente genial. Recomendo mesmo antes de o ter acabado (falta pouco).
    Gostei imenso deste post. Acho que já fiz alguns testes de consulta e sei que dão imenso trabalho. Se não soubermos procurar a informação correcta, pode acontecer que despejamos coisas que não interessam a ninguém.

    Like

  6. adriana says:

    ando na universidade e acho que a consulta mais próxima que tive, foi ao livro do código das sociedades para direito de empresa😉 mas, também não costumo gostar quando fazem este tipo de frequência.

    gostei do post, foi diferente🙂 esclarece algumas curiosidades.
    beijinhos

    Like

Say what's on your mind

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s